Cultura

Memórias de Jane Powell

opinião

Jane Powell (1929-2021)

Foi uma figura emblemática da época dourada dos musicais da Metro Goldwyn Mayer: Jane Powell faleceu aos 92 anos de idade.

Eis uma imagem que imediatamente nos suscita a ideia de que pertence a “outro tempo”… Assim é, sem dúvida: falecida no dia 16 de setembro, contava 92 anos, Jane Powell foi uma das figuras mais emblemáticas do cinema musical de Hollywood, em particular do glorioso período das décadas de 1940/50 em que Arthur Freed foi o principal gestor desse género de produções nos estúdios da Metro Goldwyn Mayer.

Paradoxalmente, não se pode dizer que Jane Powell tenha sido uma verdadeira “cabeça de cartaz”. Com o seu talento para o canto e a dança, ela não precisou de ostentar o estatuto de “star” para desempenhar um papel fundamental no elenco de vários títulos emblemáticos dessa época.

Dois filmes dirigidos por Stanley Donen são fundamentais na sua carreira: “Casamento Real” (1951), contracenando com Fred Astaire [video], e sobretudo “Sete Noivas para Sete Irmãos”, quase sempre evocado como um dos mais complexos e sofisticados na encenação de espectaculares coreografias.

Ao evocarmos o seu trabalho, é a especificidade de uma época (clássica, sem dúvida) de Hollywood que vem à memória. Para lá da metódica divisão da maior parte da produção em géneros muito populares — musical, comédia, “western”, etc. —, essa verdadeira idade de ouro envolvia intérpretes como Jane Powell que mantinham uma relação contratual com determinado estúdio, aí desenvolvendo o essencial do seu trabalho.

Quando, por vezes, lamentamos que as glórias do musical clássico não se renovem no século XXI, importa reconhecer que, em boa verdade, o que falta não é apenas uma questão de talentos orientados para um modelo particular de espectáculo — será, sobretudo, um método de organização da própria indústria. De qualquer modo, registe-se que o final de 2021 será marcado pela estreia de um “remake” de um super-clássico do musical: “West Side Story”, agora sob a direcção de Steven Spielberg.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia