Cultura

"Autorretrato" de Van Gogh é genuíno e foi pintado durante um surto de psicose

Peter Dejong

A confirmação foi feita depois de décadas de incertezas sobre a autenticidade da pintura.

O quadro "Autorretrato" do pintor Vincent Van Gogh foi declarado genuíno, depois de quase 50 anos da autenticidade ter sido posta em causa pela primeira vez.

Uma equipa de especialistas identificou o autorretrato como o único quadro pintado por Vincent Van Gogh durante um surto de psicose, uma doença mental caracterizada pela desintegração da personalidade e por uma distorção da perceção da realidade.

Os especialistas adiantaram ainda que o quadro foi pintado durante a estadia de Van Gogh num asilo em Saint-Remy, em França, no final do verão de 1889.

A autenticidade foi confirmada pelo Museu Van Gogh, em Amesterdão, depois de uma investigação pedida pela Galeria Nacional de Oslo, na Noruega, que detém a pintura.

Peter Dejong

Segundo a BBC, o museu norueguês enviou a pintura para especialistas holandeses, que para confirmarem a autenticidade usaram Raio-X, estudos sobre as pinceladas e referências em cartas enviadas pelo pintor ao irmão Theo.

A emissora britânica cita uma dessas cartas, de setembro de 1889, em que Van Gogh descreve o autorretrato como "uma tentativa de quando estava doente". O artista holandês escreveu ainda que tinha sido "atingido por um severo episódio de psicose" que durou seis semanas e, que apesar de conseguir pintar depois disso, continuava a sentir-se "perturbado".

A Galeria Nacional de Oslo adquiriu o quadro em 1910 de um colecionador, em Paris. Atualmente, o autorretrato está atualmente em exposição no Museu Van Gogh, em Amsterdão, e só voltará para Oslo em 2021, quando o novo museu nacional abrir.