Conteúdo Patrocinado

Negócios sustentáveis para Financiar o Futuro

A sustentabilidade é a maior oportunidade de negócio para os bancos nos próximos dez anos, porque as decisões tomadas hoje condicionarão a vida das gerações de amanhã. Regido por esta premissa, o BBVA ambiciona contribuir, através de uma estratégia com preocupações sociais e ambientais, para um desenvolvimento económico mais sustentável e inclusivo para todos A sustentabilidade é a maior oportunidade de negócio para os bancos nos próximos dez anos, porque as decisões tomadas hoje condicionarão a vida das gerações de amanhã. Regido por esta premissa, o BBVA ambiciona contribuir, através de uma estratégia com preocupações sociais e ambientais, para um desenvolvimento económico mais sustentável e inclusivo para todos

O edifício central do BBVA, em Madrid, iluminado com a cor azul das Nações Unidas para comemorar o 5.º aniversário do lançamento dos “Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”

O edifício central do BBVA, em Madrid, iluminado com a cor azul das Nações Unidas para comemorar o 5.º aniversário do lançamento dos “Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”

Os desafios das alterações climáticas são, também nos negócios, uma das maiores disrupções que a Humanidade enfrenta no mundo atual. As entidades financeiras, principalmente os bancos, são protagonistas, ao longo da próxima década, de uma oportunidade histórica para estimular a reconstrução da economia e de um sistema produtivo mais sustentável. Após, numa primeira fase, terem estado focadas em apoiar de forma muito próxima os seus clientes e desempenhado um papel fundamental na canalização de liquidez para as empresas, as instituições bancárias olham agora para a sustentabilidade como um pilar estratégico e adquirem um maior protagonismo ao converter-se numa das chaves para uma recuperação económica mais rápida. É o caso do Grupo BBVA, que ambiciona contribuir para um desenvolvimento mais sustentável e inclusivo para todos, além de reforçar a sua disponibilidade para apoiar as empresas a tomarem decisões de investimento e produção com critérios de sustentabilidade ambiental e social, transitando assim para uma economia mais verde, fundamental para o seu crescimento.

O caminho da sustentabilidade

A estrutura global dos “Princípios da Banca Responsável” — o mais ambicioso acordo global sobre sustentabilidade até hoje para o sector bancário, assinado por 130 bancos de todo o mundo em setembro de 2019, na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque —, será a bússola que guia os bancos na direção do desenvolvimento sustentável. Um repto que BBVA leva muito a sério, tendo sido pioneiro em apostar na sustentabilidade como alavanca de mudança para a sociedade, um compromisso pelo qual continua a reger-se. Por este motivo, desde a COP24 realizada em Katowice (Polónia), o Grupo tem vindo a alinhar progressivamente a sua atividade com o Acordo de Paris, a convenção “histórica” aprovada em 2015 por 195 países que recomenda medidas de redução de emissão de gases de efeito estufa a partir de 2020 e estabelece metas e medidas para descarbonizar as economias nas próximas três décadas. Assim, em fevereiro de 2018, o Grupo anunciou o Compromisso BBVA 2025, uma estratégia de desenvolvimento sustentável que define a sua ambição e o caminho a seguir e que assenta em três pilares: financiar infraestruturas sustentáveis, empreendedorismo social e inclusão financeira; gerir, riscos ambientais e sociais para minimizar seu impacto negativo direto e indireto; e comprometer e envolver todas as partes interessadas para promover coletivamente uma maior contribuição do sector financeiro para o desenvolvimento sustentável.

O que o BBVA está a fazer em Portugal

Em 2019, o Grupo realizou a primeira operação de papel comercial verde com a empresa papeleira The Navigator Company e a primeira emissão mundial de obrigações verdes do sector hoteleiro com o Grupo Pestana, tendo, ainda, com a BA Glass fechado uma linha de papel comercial sustentável. Já este ano, participou na emissão de obrigações verdes da EDP e desenvolveu, ainda, um processo de certificação sustentável vocacionado para os projetos das pequenas e médias empresas, no âmbito do qual, já durante a pandemia, financiou projetos em diversos sectores. Por outro lado, encontra-se também a trabalhar na implementação de várias medidas, que vão desde a eficiência energética das suas instalações à eliminação do uso de plástico, a práticas de gestão ecológicas e ao incentivo da mobilidade sustentável. E porque pretende continuar a oferecer não apenas soluções financeiras mas também aconselhamento, com o propósito de “colocar ao alcance de todos as oportunidades desta nova era” e ser um parceiro de referência, o BBVA recomenda aos seus clientes a melhoria da sua saúde financeira, enquanto os apoia na transição para uma economia mais sustentável e amiga do ambiente.

Um banco com compromisso social

Entretanto, além do fator ambiental, a sociedade enfrenta outros desafios, como a inclusão social, a educação, a diversidade e, também, de saúde pública, prevendo--se mudanças tão intensas que nada será como antes. Neste processo de renovação, as instituições financeiras podem ser igualmente agentes catalisadores positivos para fazer acontecer. As soluções habituais não servirão para resolver os problemas atuais, pelo que será necessário repensar o nosso quotidiano, desde a forma como consumimos, como nos movemos, como trabalhamos, como investimos, como comunicamos, etc. O Grupo BBVA aborda estes desafios em várias frentes: primeiro no plano empresarial, através de iniciativas como a proximidade juntos dos clientes durante a pandemia ou programas como a inclusão financeira ou apoio ao empreendedorismo; segundo, e em linha com o seu compromisso de contribuir para a melhoria da situação social, económica e ambiental dos países onde atua.

Em maio de 2020, o BBVA tornou-se a primeira instituição financeira privada na Europa a emitir “social bond COVID-19”. Ainda na esfera social, o Grupo tem tido uma atuação destacada no financiamento de projetos de telecomunicações, dada a importância que assumem enquanto facilitadores do acesso às novas tecnologias e à digitalização. Uma das principais áreas em que a digitalização se revela essencial para que o sector bancário impulsione o desenvolvimento sustentável é a inclusão financeira, que tem um impacto favorável sobre o bem-estar e o crescimento económico sustentado dos países. A tecnologia financeira digital e, em particular, o aumento da utilização de telefones móveis tem vindo a facilitar, a mais pessoas, o acesso a serviços financeiros a um custo menor e mais seguro. Por seu lado, o uso de big data é igualmente fundamental para que os dados estejam disponíveis para iniciativas sociais e sustentáveis, de forma agregada, ajudando a enfrentar os novos desafios da sociedade.

A Fundação Microfinanças BBVA

Criada em 2007, esta instituição visa promover o desenvolvimento sustentável de empreendedores de baixos rendimentos e foi recentemente reconhecida pela OCDE — Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico como a primeira entidade filantrópica na América Latina a contribuir para o desenvolvimento. Está presente em cinco países (Colômbia, Peru, República Dominicana, Chile e Panamá) e nos seus 13 anos de história, através das suas entidades, atendeu a mais de cinco milhões de pessoas com mais de 14,4 mil milhões de dólares (sendo a segunda fundação a nível mundial que mais investe, depois da fundação de Bill e Melinda Gates). Alinhada com os “Objetivos de Desenvolvimento Sustentável” (a sua atuação impacta direta ou indiretamente em 12 dos 17 objetivos), rege-se por linhas estratégicas como a medição do impacto social, a sustentabilidade ambiental, a digitalização, o empoderamento da mulher e o capital humano.Através da microfinanças, o BBVA desenvolve diversos programas promotores de empreendedorismo, que beneficiaram, só em 2019, 2,2 milhões de pessoas.

O BBVA é o Banco mais sustentável da europa e o terceiro a0 nível mundial

O BBVA conquistou recentemente (novembro de 2020) a primeira posição entre os bancos europeus no Dow Jones Sustainability Index (DJSI), índice de referência no mercado bolsista, que mede o desempenho das maiores empresas por capitalização de mercado nas áreas económica, ambiental e social. No mundo, a instituição financeira ocupa a terceira posição, tendo obtido a pontuação máxima (100 pontos) nas secções de inclusão financeira; relatórios ambientais; relatórios sociais; cidadania corporativa e filantropia; saúde e segurança ocupacional; estratégia fiscal; e “influência política”. O BBVA alcançou a pontuação geral de 87 pontos, 5 pontos a mais do que em 2019. No início de 2020, incluiu a sustentabilidade entre as suas prioridades estratégicas e ser o primeiro banco europeu no índice de sustentabilidade Dow Jones mostra o seu compromisso para enfrentar os desafios sociais e ambientais que se avizinham.

Raquel Sousa

  • O bicho homem em quatro episódios

    Opinião

    Gostava muito de partilhar o otimismo de Attenborough e de Bregman. Mas depois há episódios como o da Superliga. Ou o das vacinas concentradas no hemisfério Norte. E a esperança esvai-se. Como as superfícies geladas do Ártico no verão.

    Cristina Figueiredo