Conteúdo Patrocinado

Mobilidade elétrica, uma aposta sustentável

Os veículos elétricos estão aí para ficar, sendo parte inquestionável do leque de soluções de mobilidade sustentável no presente e no futuro. Atenta a este facto, a bp tem vindo a afirmar-se cada vez mais no carregamento rápido destes automóveis, em linha com a sua ambição de chegar às zero emissões líquidas em todas as operações numa base absoluta até 2050 ou mais cedo

COMO QUER QUE VÁ, CONDUZA CARBONO NEUTRO COM A BP

Se até há bem pouco tempo a mobilidade elétrica era mais uma tendência do que uma realidade, a verdade é que os veículos automóveis movidos a eletricidade estão cada vez mais presentes nas estradas portuguesas. De acordo com o estudo "Mission (almost) accomplished", da Federação Europeia de Transporte e Ambiente, divulgado em outubro pela Associação Zero, Portugal está entre os países europeus onde se vendem mais veículos elétricos (VE) e híbridos, ao ocupar o quinto lugar da lista de 22 países analisados, relativa ao primeiro semestre deste ano.

A questão ambiental é relevante na decisão de compra, mas não a única. O facto de os VE garantirem incentivos fiscais e de terem uma maior autonomia (que em certos modelos já ultrapassa os 400 quilómetros) seduz os condutores, mas as infraestruturas de carregamento, sobretudo rápido, constitui outro motivo que pesa na escolha.

Entre as grandes vantagens destes veículos continua a ser a redução de impostos, sobretudo em relação aos 100 por cento elétricos, uma vez que não emitem dióxido de carbono e por isso se encontram isentos do Imposto Sobre Veículos (ISV) e do Imposto Único de Circulação (IUC) e também, entre outros benefícios para empresas, a dedução do IVA nos custos com a eletricidade, como previsto no Orçamento de Estado de 2020. Existe ainda um benefício monetário criado pelo Estado Português como forma de promover a mobilidade elétrica que obedece a um regulamento de atribuição. Por outro lado, estes automóveis têm, em geral, custos de utilização e manutenção mais reduzidos, estão dotados de motores mais silenciosos, arranques rápidos e caixa de velocidades automáticas.

TECNOLOGIA CENTENÁRIA

Fala-se tanto hoje em veículos elétricos que tendemos a pensar que são uma invenção moderna. Mas não. Os motores “ligados à corrente” fabricaram-se primeiro na Europa e mais tarde nos Estados Unidos, a partir da década de 30 do século XIX, ou seja, têm quase 200 anos de história. No raiar do século XX, surgiu pela mão de Ferdinand Porsche, o icónico construtor automóvel austríaco, o primeiro híbrido, numa altura em que Thomas Edison, o inventor da lâmpada incandescente, já trabalhava na construção de uma bateria melhor.

Entretanto, a ascensão em popularidade do automóvel a combustão ditou a queda dos elétricos, que desapareceram em 1935 para renascerem cerca de quatro décadas depois, já sob a “pressão” das questões ambientais levantadas no First Symposium on Low Pollution Power Systems Development, realizado na cidade norte-americana de Ann Arbor, no Michigan.

Desde aí a evolução foi lenta mas foram surgindo novidades, sobretudo a partir dos anos noventa, quando a nova regulamentação para a diminuição dos gases de efeito estufa estimulou o investimento em veículos com zero emissões.

Nos próximos anos, espera-se que estes carros usufruam de uma cada vez maior capacidade das suas baterias e de uma rede de carregamentos cada vez mais polarizada e rápida. Neste campo, a bp, e em linha com o programa Drive Carbon Neutral, que ajuda os clientes a agir face ao carbono e a desempenhar o seu papel na jornada do mundo para a neutralidade carbónica (net zero), iniciou a sua presença nos carregamentos elétricos em 2018 e, a partir de setembro do mesmo ano, estabeleceu uma parceria com a EDP, inaugurando o primeiro de 30 postos rápidos de carregamento a instalar no nosso país, ligados à rede MOBI.E. Desta parceria resultaram, até ao momento, 16 postos de carregamento rápido para veículos elétricos em Postos de Abastecimento bp.

A bp tem prevista a inauguração de mais 14 postos de carregamento rápido nos próximos meses, de norte a sul do país, cumprindo assim com o compromisso de promover a mobilidade elétrica em Portugal. Ou seja, têm como objetivo chegar aos 30 postos em toda a rede, até ao final de 2020.

No entanto, se ainda tem um automóvel a gasóleo ou gasolina, a gás de petróleo liquefeito (GPL) ou optou por um híbrido, saiba que o programa Drive Carbon Neutral, lançado em Portugal em julho, é uma iniciativa da marca de energia bp que compensa as emissões de carbono de todos os abastecimentos de gasóleo, gasolina e GPL dos seus clientes, através do financiamento de projetos ambientais de redução de carbono em vários países, como a Índia, México e Zâmbia entre outros. Ao longo dos últimos 14 anos, este programa já permitiu compensar 6 milhões de toneladas de carbono, angariando mais de 24 milhões de euros para esses projetos globais que financiam a utilização de energias renováveis, baixo carbono e a proteção das florestas.

DE OLHOS POSTOS NO FUTURO

A bp ambiciona chegar às zero emissões líquidas em todas as operações numa base absoluta até 2050 , ou mais cedo, por isso tem vindo a melhorar a eficiência das operações, a desenhar novos projetos para emitir menos gases de efeito estufa e a procurar soluções inovadoras que vão ao encontro das necessidades dos seus clientes e do ambiente. A aposta na mobilidade sustentável é incontornável na sua estratégia para o futuro de reinventar a energia, onde a mobilidade elétrica se inclui. Nos últimos anos tem estado, para o efeito, a investir na celebração de um acordo para a compra da maior empresa inglesa de carregamento de veículos elétricos; em parcerias com a StoreDot, uma empresa israelita de tecnologia que desenvolve baterias de carregamento ultrarrápido e promete carregamentos elétricos no mesmo tempo em que se enche um depósito de combustível, e com o fabricante de veículos elétricos chinês NIO Capital; na participação numa empresa americana que desenvolve soluções inovadoras de carregamento rápido; e ainda na dotação da rede de retalho nacional com equipamentos para carregamento de veículos elétricos e autónomos.

  • O bicho homem em quatro episódios

    Opinião

    Gostava muito de partilhar o otimismo de Attenborough e de Bregman. Mas depois há episódios como o da Superliga. Ou o das vacinas concentradas no hemisfério Norte. E a esperança esvai-se. Como as superfícies geladas do Ártico no verão.

    Cristina Figueiredo